A zorra e a cotovia

A zorra e a cotovia semearam uma seara, às meias. Semearam, e ao tempo da ceifa:

– Temos que ir ceifar o trigo, – disse-lhe a cotovia.

– Ai comadre, não posso ir! Amanhã tenho um baptizado .

A cotovia lá ia ceifando sozinha:

– Ó comadre, mas você não vai ceifar?

– Ai amanhã tenho um casamento!

A cotovia vá de ceifar.

Assim foi passando o tempo, recolheram a semente, debulharam e diz a cotovia assim, agora vamos a dividir, a ver o que é que se há-de fazer, a comadre quase que não tem feito nada, eu tenho feito este trabalho todo.

Responde-lhe a zorra:

– A meu ver o melhor é assim, você sabe esgravatar, fica com a palha, esgravata isso aí,  tem lá muitos bagos, aproveita aí muito e eu fico com este moitão- era o trigo.

Diz a cotovia consigo mesma:

– Bom, isto assim não está bom.

Abalou, vou buscar uma pinguinha de água fresca e vou pensar. Abalou, ia chorando caminho abaixo, encontrou um cão:

– Então comadre cotovia, vai chorando por quem?

Ela esteve contando, ora fez umas meias com a comadre zorra e agora aconteceu isto assim assim, ela agora quer o moitão do trigo e só me quer dar a palha porque eu sei esgravatar.

Diz ele:

– Nah! Não se preocupe. Eu agora vou para cima e escondo-me lá na palha, atrás do moitão da palha, e deixo as minhas ameixinhas de fora e você depois vai e leva a água. Conversaram e fizeram a conversa um com o outro, como é que havia de ser.

Ela foi, chegou com a cantarinha da água fresca:

– Comadre zorra tenho aqui água fresca.

– Ai tem aí água fresca? Dê-me aí uma gotinha.

– Olhe e não trouxe só água fresca, trouxe também umas ameixinhas.

– E onde estão elas?

– Tive medo de as trazer para aqui, poderia vir o patrão, estão ali por trás da palha, vai lá que estão lá escondidas.

Foi lá a zorra para ir apanhar as ameixinhas, o cão voltou-se a ela, ou dás parte à cotovia, ou eu

acabo contigo.

Olhem, foi assim que fizeram as partilhas.

 

Luísa Maria Costa Fernandes

Vale do Poço

7/11/21

 

[ Estas sociedades que incluem zorras, são história muito contada com vários parceiros para a raposa. Esta versão com a cotovia só a ouvimos no vale do Poço.]

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias