Tão valente

Foi o caramelo que derreteu e partiu a pernica da rã

Tão valente és tu caramelo que partiste a minha pernica

Mais valente é o sol que me derrete

Tão valente és tu sol que derrete o caramelo que a minha pernica partiu

Mais valente é a nuvem que me encobre.

Tão valente és tu nuvem que encobre o sol que derrete o caramelo que a minha pernica partiu

Mais valente é o vento que me leva.

Tão valente és tu vento que levas a nuvem que encobre o sol que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é a parede que me tem mão.

Tão valente és tu parede que tem mão no vento, que leva a nuvem, que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é o rato que me fura

Tão valente é o rato que fura a parede, que tem mão no vento, leva a nuvem que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é o gato que me apanha.

Tão valente és tu gato que apanhas o rato que fura a parede que tem mão no vento, leva a nuvem que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é o cão que me morde.

Tão valente és tu cão que morde no gato, que apanha o rato que fura a parede que tem mão no vento, leva a nuvem que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é o pau que me bate.

Tão valente és tu pau que bates no cão, que morde no gato,que apanha o rato que fura a parede que tem mão no vento, leva a nuvem que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Tão valente é o fogo que queima o pau que bate no cão, morde no gato que apanha o rato que fura a parede, tem mão no vento, leva a nuvem que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é a água que me apaga.

Tão valente és tu água que apagas o fogo que queima o pau que bate no cão, morde no gato que apanha o rato que fura a parede, tem mão no vento, leva a nuvem que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é o boi que me bebe.

Tão valente és tu boi que bebes a água que o fogo apaga, que queima o pau que bate no cão, morde no gato que apanha o rato que fura a parede, tem mão no vento, leva a nuvem que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é o homem que me mata.

Tão valente és tu homem que matas o boi que bebe a água que o fogo apaga, que queima o pau que bate no cão, morde no gato que apanha o rato que fura a parede, tem mão no vento, leva a nuvem que encobre o sol, que derrete o caramelo que a minha pernica partiu.

Mais valente é a morte que me leva.

Tão valente és morte, que levas o homem.


Maria da Encarnação

São Pedro de Sólis

10 de Setembro 2020

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias