A velhinha

Era uma vez uma velhinha

Quase cega

Coitadinha

E já mal podendo andar

Encostada ao seu bordão

Sempre olhando para o chão

Lá na estrada a passar

Ouvindo um cão que ladrou

A pobrezinha parou

Olhando em roda assustada

Quis fugir não conseguiu

Tentou correr mas caiu

A pobrezinha, coitada.

Nisto surge uma menina viva formosa e ladina

Que ao vê-la caída no chão

Correu logo pressurosa condoída e carinhosa

E à velhinha deu a mão.

(e a menina diz)

Eu a levanto avózinha e a levo à sua casinha

Onde lhe dói, o que tem

Diga que eu vou já buscar

Qualquer coisa para a curar

Vou pedir à minha mãe

(e a velha disse)

Não foi nada meu amor

És um anjo, uma flor, ajuda-me só a andar

Deus te pague a tua bondade com muita felicidade

Disse a velhinha a chorar.


Zé Carlos, Monte das Vargens.

16 de Agosto de 2020

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

00 comments on “A velhinha

  • Francisco José Correia , Direct link to comment

    Adoro essas histórias essa gente
    Essa vila
    Tenho alguns amigos ai
    Alguns no projecto e se me permitem vou tentar seguir
    Um transmontano

  • Ana , Direct link to comment

    Adoro esse poema, que ouvi várias vezes à minha avó paterna ☺. Obrigada por mo ter lembrado.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias