Amor à terra, amor à vida

Eu tive um tio que emigrou para o Brasil e assim que pôde vinha cá pelo menos a cada quatro anos.

Foi uma meta que estabeleceu, não queria estar mais de quatro anos sem voltar ao local onde nasceu. De cada vez que cá vinha, havia uma oliveira onde ele ia, escrevia numa laje, Palma Dias era assim que assinava, tantos de tal, dava-lhe a data.

Vivia em São Paulo, mas vinha cá, a primeira vez que saiu foi para Lisboa trabalhar numa mercearia, a moço de mandados, esteve quatro anos sem vir cá, e a partir daí disse, nunca mais na minha vida hei de estar mais de quatro anos sem ir ao local onde eu nasci, porque até as pedras da calçada ele tinha na cabeça, ele vinha e escrevia numa laje e tinha uma oliveira certa onde metia as lajes.

Sabes outro sítio onde ele ainda escreveu? Na parte de cima do moinho da calçada, ao pé da ponte.

30/5/21

Balbina Palma

Zambujal

[Esta história de vida ouvida no Zambujal, à beira do Vascão, é uma elegia à vida, ao amor pela terra. Ouvida à sombra de uma grande oliveira, quem sabe se a oliveira que guarda as lajes assinadas]

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Comentários recentes

Arquivo

Categorias